Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: CARMEM CÉLIA ARAÚJO FREITAS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CARMEM CÉLIA ARAÚJO FREITAS
DATA: 18/03/2024
HORA: 15:00
LOCAL: UFDPAr
TÍTULO: INVENTÁRIO PARTICIPATIVO DO OFÍCIO E MODOS DE SABER-FAZER DA PESCA ARTESANAL DO BAIRRO COQUEIRO, LUÍS CORREIA, PIAUÍ.
PALAVRAS-CHAVES: Museologia Piauí; Delta do Rio Parnaíba; Inventários Participativos; Museu da Vila.
PÁGINAS: 100
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Museologia
RESUMO:

Este documento apresenta uma proposta de Trabalho Final de Mestrado sob o título "Inventário Participativo do Ofício e Modos de Saber-Fazer da Pesca Artesanal". Propõe-se uma abordagem no campo da museologia social, ecomuseologia e documentação do patrimônio cultural, tendo como espaço de estudos e intervenções o Bairro Coqueiro da Praia, Luís Correia, um dos dez municípios que integram  a Área de Proteção Ambiental Delta do Parnaíba. A pesquisa é motivada pela necessidade de documentar e propor políticas públicas de salvaguarda do ofício e saber-fazer da pesca artesanal, em consonância  com o projeto Ecomuseu Delta do Parnaíba, que dentre seus resultados está a criação do Museu da Vila, o primeiro museu comunitário do litoral do estado do Piauí. O problema deste trabalho está associado  à crise do ofício da pesca artesanal, marcada pela falta de valorização e possibilidades de transmissão de conhecimentos às novas gerações. O objetivo geral é a construção de um inventário participativo, para que se documente e se proponha um Plano de Salvaguarda desse  patrimônio cultural. Dez pescadores artesanais do bairro colaboram diretamente na construção deste Inventário. Como pesquisa social aplicada, associamos a museologia, a pesquisa-ação, a história oral, a etnografia e as diretrizes dos  inventários participativos, do Programa Mais Educação, adaptado como material didático do Manual de Aplicação para uso nas escolas  de ensino básico. Usamos instrumentos como entrevistas temáticas, fichas adaptadas do inventário participativo   e registros fotográficos, sonoros e audiovisuais. Como resultado se construirá um Dossiê do Ofício e Modos de Saber-Fazer da Pesca Artesanal que embasará a solicitação de reconhecimento do desse bem coletivo como patrimônio cultural imaterial do município de Luís Correia. Recorremos à  Constituição Federal do Brasil de 1988, que confere à sociedade o protagonismo na conservação e salvaguarda do patrimônio cultural. A pretensão não é somente documentar, mas também propor  políticas públicas para a  geração de emprego e renda associadas à pesca artesanal, em resposta à escassez de oportunidades de emprego para os jovens do município. Este trabalho, além de ser um marco na salvaguarda do patrimônio cultural imaterial, se destaca pela abordagem participativa, envolvendo diretamente a comunidade de pescadores artesanais na construção do Inventário. Ao reconhecer o ofício e modos de saber-fazer da pesca artesanal como elemento do patrimônio cultural, este estudo contribui não apenas para a sua salvaguarda, mas também para a promoção sustentável dessa tradição. Esta abordagem está alinhada aos desafios contemporâneos, o que inclui a urgência de ações que comuniquem e valorizem as identidades locais.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 423686 - AUREA DA PAZ PINHEIRO
Externo ao Programa - 036.101.557-79 - ELIZABETE DE CASTRO MENDONÇA - UFRJ
Interno - 00.000.00-/2071-26 - MARIA DE FÁTIMA PEREIRA ALVES - UNIPORTO
Notícia cadastrada em: 04/03/2024 10:40
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 24/06/2024 13:17